1. This product was added to our catalog on Wednesday 14 September, 2005.

    Cauliflower - Indisponível

    Our Price:  2.45EUR

    Couve-flor

    Nome Científico: Brassica oleracea var. botrytis L.

    Nome Comum: Couve-flor.

    Nomes Populares: Couve-flor.

    Família: Brassicaceae.

    Origem/História: Com a sua origem provável no Mediterrâneo Oriental, este tipo de couve, já sob forma bem diferenciada, foi cultivada na Turquia e no Egipto pelo menos há 1500 a 2000 anos. A distinção entre a couve-flor e os brócolos não foi clara, durante muitos séculos, sendo feita a primeira descrição inequívoca da couve-flor no séc. XVI.

    Descrição:A Couve-flor é uma planta herbácea, bienal, com sistema radicular superficial, com caule curto e grosso, de cor verde-claro a escuro. As folhas são inteiras ou ligeiramente fendidas, oblongas e elípticas. Os pecíolos são por vezes achatados . A couve-flor é uma espécie alogâmica, com polinização entemófila. Para efeitos de semente a couve-flor apresenta algumas dificuldades devido ao aparecimento da haste floral de forma descontinua. A parte edível ou comestível da couve-flor é constituída pelos primórdios florais, normalmente de cor branca, podendo apresentar outras cores como o verde, amarelo ou roxo. Aquilo a que se chama vulgarmente cabeça da Couve-flor é um conjunto de ápices imaturos, hipertrofiados, e indiferenciados.

    Sementeira: Em estufa ou estufim, entre Março e Abril ou no local definitivo entre Maio e Julho.

    Crescimento: Médio/lento

    Transplantação: Entre Abril e Agosto, ou quando as plantas apresentam entre 3 a 5 folhas verdadeiras. Espaçamento de cerca de 30 cm entre plantas.

    Luz: Tolera condições de baixa luminosidade.

    Temperatura: Elemento preponderante no desenvolvimento, qualidade e produtividade da couve-flor. Prefere climas frescos e húmidos, em condições de dias-curtos. Tolera mal temperaturas elevadas. As temperaturas óptimas situam-se entre os 16-18 Cº.

    Humidade: Prefere humidade relativa elevada.

    Solos: As exigências das couves-flor no que respeita ao solo, não diferem muito das exigências de outras brássicas. Preferem solos soltos, bem drenados e ricos em húmus.
    O pH do solo deve situar-se entre os valores 6,0 e 7,0. No entanto pode surgir a potra, doença que é habitual ocorrer em solos de pH ácido com muita frequência. Para reduzir ou anular a sua incidência, eleva-se o pH do solo para valores próximos de 7.
    A correcção do pH não deve ser brusca, sendo por isso desaconselhável fazer aplicações de calcário superiores a 5-6 ton. /ha.

    Rega: Exigente em água, sendo a fase de desenvolvimento da cabeça aquela em que o stresse hidríco mais prejudica a produtividade da cultura.

    Adubação: As couves-flor são uma cultura exigente em fertilizantes, especialmente em azoto e potássio. Reagem bem à fertilização orgânica embora esta não seja suficiente para satisfazer as necessidades da couve-flor sendo por isso, necessário fazer uma adubação de fundo. Em regime de regadio, típico do ciclo produtivo de Verão, pode ser necessário usar maiores quantidades de nutrientes, pois serão de esperar maiores perdas. De acordo com as situações, sempre que se calcula a adubação de cobertura, esta deve ser escalonada e adequado ao estado de desenvolvimento da cultura. Quanto à primeira aplicação do azoto, esta não deverá ultrapassar o período imediatamente após a crise de transplantação (cerca da 2ª -3ª semana). Não são aconselhados adubos nítricos em adubação de fundo, e pelo contrário, em adubação de cobertura devem ser utilizados adubos azotados nitroamoniacais.

    Pragas e doenças: Afídeos, alfinete, áltica, falsa potra, lagartas, mosca da couve, mosca branca da couve, nóctuas, traça da couve, tripes, nemátodes, míldio das crucíferas, pé negro, alternariose, podridão cinzenta, ferrugem branca, potra.

    Multiplicação: Semente.

    Colheita: A colheita das couves-flor deve ser feita quando as cabeças estão compactas e firmes, não se devendo adiar a colheita, pois dá-se uma rápida perda de qualidade após o corte. A descoloração da cabeça e a perda da sua compacidade é acelerada por temperaturas altas. Esta colheita é normalmente efectuada manualmente. A maturação não é simultânea o que obriga várias visitas ao campo. É uma boa regra deixar algumas folhas sobre a flor para que a conservem fresca durante o transporte e, no caso do consumo em fresco, pelas próprias exigências do mercado.

    Utilização: Muito utilizada em fresco para a confecção de sopas e cozidos. As Couves-flor são matéria prima de industrias de transformação de congelados e pickles.

    Autor: André M. P. Vasconcelos (Engenheiro Agrónomo)

    Outras Sementes de Plantas Hortícolas e de Outros Frutos e Legumes ou Hortaliças.




    Reviews

Customers who bought this product also purchased

Categories